Tráfego IP triplicará em cinco anos, atingindo 2 zettabytes até 2019

O tráfego sobre protocolo de Internet (IP) vai triplicar nos próximos cinco anos, atingindo o recorde de 2 zettabytes em 2019. A expectativa é de uma taxa composta de crescimento anual de 23%. O Brasil também passará por um período de aceleração, duplicando o patamar atual no mesmo período, atingindo 53 exabytes ao ano. As projeções estão na 10ª edição do Cisco Visual Networking Index (VNI).

neutrinosDe acordo com a provedora, alguns fatores influenciarão o volume trafegado até o final da década. A companhia aponta para uma evolução no número de usuários conectados à internet como um dos principais fatores. A projeção é que o total da população mundial conectada à rede passe dos atuais 39% para 51%.

A empresa avalia ainda que o mundo terá 24 bilhões de conexões em 2019 (em comparação com 14 bilhões em 2014). Segundo Hugo Baeta Santos, diretor do segmento de operadoras na empresa, a diversidade de aparelhos com acesso as redes forçará provedores de serviços e telcos a se adaptarem.

O volume considera tablets, smartphones e TVs de ultra-alta definição, bem como conexões M2M e wearables. “Esses dispositivos e conexões avançadas deverão ser autenticados para ter acesso a redes fixas e móveis, exigindo inteligência avançada, gerenciamento e segurança”, indica o relatório divulgado na quarta-feira (27/05).

De acordo com a provedora, o contexto pedirá uma estratégia IPv6 abrangente para que as operadoras acomodem o volume e a complexidade das conexões e dos dispositivos suportados. A empresa projeta que, globalmente, 41% de todos os dispositivos/conexões de rede fixa e móvel serão compatíveis com IPv6 até 2019, acima dos 22% em 2014.

“A única forma de continuar conectando dispositivos é a migração para o IPv6 . Todas operadoras têm planos e executado a implementação da tecnologia”, comenta o executivo, que adiciona: “O mix dos dispositivos conectados à rede tem mudado bastante. Hoje, percebe-se que há um percentual significativo de conexões M2M, chegando a 43% das conexões em 2019”.

Mais veloz, mais vídeos, mais máquinas

A média global de velocidade de banda larga fixa vai duplicar, partindo de 20,3 Mbps em 2014 para 42,5 Mbps em 2019. Esse contexto deve alavancar o avanço de vídeos trafegando sobre as redes. De acordo com a Cisco, esse tipo de conteúdo será responsável por 80% do tráfego no ano limite da pesquisa. final da década mais de 14% do tráfego IP mensal terá origem nas conexões de celular, e 53% virão de conexões Wi-Fi em todo o mundo, tornando as estratégias diferenciadas e rentáveis em mobilidade muito mais importantes para os provedores de serviços.

A Cisco avalia que as conexões M2M irão triplicar nos próximos cinco anos, atingindo 10,5 bilhões em 2019. A empresa aponta que haverá significativo uso da Internet das Coisas em diversos segmentos, como agricultura, saúde, manufatura, varejo e transporte; assim como a implantação de casas conectadas.

No Brasil

As previsões do estudo apontam que o tráfego IP no Brasil duplicará de 2014 a 2019, crescendo a uma taxa de 19% e atingindo 53 exabytes/ano (4,4 exabytes/mês e 145 petabytes/dia). Já o tráfego de Internet crescerá 2,2 vezes no país, crescendo a uma taxa de 17% e atingindo 122 petabytes/dia em 2019, com uma média de tráfego no horário de pico da ordem de 38 Tbps. O tráfego móvel subirá de 3,9% em 2014 para 16,2% do total do tráfego de Internet em 2019.

A Cisco indica que o Brasil terá 134 milhões de usuários de internet dentro de cinco anos. Atualmente, são cerca de 88 milhões de brasileiros conectados à rede. Os dispositivos conectados no País passarão de 429 milhões para 785 milhões, no mesmo período; a velocidade de banda passa de 8.3 Mbps para 19 Mbps; e o vídeo saindo de 68% para 84% do tráfego.

 

fonte: http://computerworld.com.br/