Huawei e Xilinx pesquisam padrão Ethernet de 400 Gigabits

Uma demonstração feita nesta semana pela fabricante de equipamento de rede Huawei Technologies e a fabricante de chips Xilinx sinalizou a ansiedade da indústria óptica por Ethernet de 400 Gigabits (400 Gb Ethernet, ou 400GbE), um padrão que ainda está a pelo menos 2 anos de ser formalizado.

huawei_xilinx

Durante a conferência Optical Fiber Communications (OFC) em San Francisco, a Huawei e a Xilinx demonstraram um router line card que dizem ser capaz de lidar com conexões Ethernet a 400 Gbps. O equipamento é apenas um protótipo, e a Huawei não tem intenções de vender um produto antes do padrão estar finalizado, mas a demonstração deixa claro que ambas as empresas já estão se preparando para a próxima geração do padrão Ethernet, diz Chuck Adams, um Distinguished Standards Strategist no centro de pesquisas norte-americano da Huawei.

Já há formas de interconexão que não usam Ethernet e estão chegando aos 400 Gbps. Vários fabricantes dizem já ter algum tipo de tecnologia de 400 Gbps em desenvolvimento ou à venda e afirmam que estarão prontos para entregar equipamento 400GbE quando o padrão tiver sido finalizado. Parte do desenvolvimento que está sendo feito em vários componentes para sistemas de 400 Gb provavelmente tem como propósito influenciar um eventual padrão, diz Alam Tamboli, um analista do Dell’Oro Group.

A Ethernet é uma das espinhas dorsais das redes corporativas. Operadoras de telecomunicações tradicionalmente usaram outras tecnologias, mas a Ethernet agora também desempenha vários papéis em suas redes.

Com dispositivos móveis, PCs e servidores transmitindo cada vez mais dados através das redes, tanto operadoras quanto os proprietários de data centers estão exigindo conexões mais rápidas. E como em todo salto na velocidade, a migração de 100 Gbps para 400 Gbps está começando nos backbones das operadoras. Mas atualmente a necessidade de velocidade em imensos data centers não está muito atrás. Com isto há pelo menos dois mercados que os fabricantes de equipamentos de rede estão ansiosos por servir.

A Huawei e a Xilinx deixaram sua marca no 400GbE durante uma sessão no OFC nesta quarta-feira, onde anunciaram uma parceria de longo prazo e um road map de produtos. O primeiro protótipo é baseado em um par de FPGAs (chips reconfiguráveis) da Xilinx que já estão em produção, baseados em um processo de manufatura de 28 nanômetros.

Nos testes este primeiro line card conseguiu processar tráfego a 400 Gbps com baixo consumo de energie e sem perda de pacotes, de acordo com Gilles Carcia, diretor de marketing na Xilinx. Um protótipo no ano que vem usará apenas um chip, produzido em um processo de 20 nm para que use menos espaço e consuma menos energia, disse ele. Segundo Adams, depois que o padrão estiver finalizado as empresas estarão muito mais próximas de lançar produtos, graças ao adiantado trabalho de desenvolvimento.

Projetar um line card para 400 GbE hoje significa partir de pressupostos que podem mudar até que o padrão esteja finalizado. O Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE) sequer estabeleceu uma força-tarefa para avaliar as opções para um padrão. John D’Ambrosia, que lidera o grupo de estudos em 802.3 400Gbps que está explorando o que é necessário no novo padrão, espera que uma força-tarefa seja iniciada no final deste mês. D’Ambrosia acredita que o padrão provavelmente não será finalizado até a primeira metade de 2017, enquanto outros acreditam que ele poderá surgir em 2016.

Uma das questões que o grupo terá de responder é que tipo de conexões menos velozes serão combinadas para chegar aos 400 Gbps. O protótipo da Huawei e Xilins usa 16 canais de 25 Gbps cada, mas as empresas dizem que podem usar outras configurações dependendo do resultado do processo de padronização.

Embora a Huawei possa estar sozinha na demonstração de um protótipo 400 GbE no momento, outros fabricantes também estão de olho no próximo salto em velocidade. A Juniper Networks está desenvolvendo um ASIC (Circuito Integrado de Aplicação Específica) capaz de operar a 400 Gbps que deverá estar pronto para 400 GbE quando o padrão estiver pronto, diz Stephen Turner, Diretor de Parceira de Produtos no Grupo de Roteamento da Juniper. A Alcatel-Lucent ainda não anunciou nenhum produto 400 GbE, mas no ano passado a empresa lançou um produto, o nPower Network Processor, que é capaz de lidar com tráfego a 400 Gbps.

Se adiantar em relação aos padrões e formar parcerias na indústria com empresas como a Xilinx é chave para o papel da Huawei como uma grande fabricante global de equipamentos de telecomunicações, disse Adams. Anteriormente a empresa, baseada em Shenzhen, na China, simplesmente seguia os padrões, mas agora participa de entidades de padronização e espera influenciá-los, disse ele.

Segundo Tamboli, a Huawei é a terceira maior fabricante de roteadores para as principais redes das operadoras, atrás da Cisco e Juniper. Cerca de um terço da renda total da empresa vem de seu mercado doméstico na China, com outro terço vindo da Europa, de acordo com Adams. A empresa também é um importante participante no mercado em partes da Ásia e da África.

Nos EUA a Huawei enfrenta dura oposição de agências reguladoras federais e legisladores que alegam que a empresa tem ligações com o governo chinês que aumentam o risco de vulnerabilidades intencionais, ou “back doors” nos produtos. A Huawei nega ter laços estreitos com o governo ou vender produtos vulneráveis. Segundo Adams a empresa ainda está em um estágio inicial de desenvolvimento do mercado nos EUA, e está analisando o desenvolvimento de relacionamentos que irão lhe permitir competir.

fonte:  http://computerworld.com.br/tecnologia