TIM testa VoLTE em laboratório, mas aguarda handsets

A TIM já iniciou testes de laboratório com o VoLTEVoLTE (Voice over LTE), tecnologia que permite a transmissão de voz sobre a rede 4G, por meio de protocolo IP fim a fim, de um smartphone até o outro. A novidade ainda é pouco usada no mundo, porque depende de testes de campo e da venda de aparelhos compatíveis. Por enquanto, a maioria das operadoras, inclusive todas as brasileiras, está usando as redes 2G e 3G para o tráfego de voz de clientes com terminais 4G. A solução provisória é chamada de “fall back”.

Outra tecnologia em testes na rede da TIM é a chamada “banda E”, ou “fibra aérea”. Trata-se do uso das faixas de 70 GHz e 80 GHz para backhaul ponto-a-ponto em torres celulares, com velocidades similares àquelas de fibra ótica, superando a barreira de 1 Gbps. “É uma tecnologia promissora para small cells, mas tem alcance limitado. Serve mais para o ambiente urbano”, disse Janilson Junior, head de inovação técnica da TIM.

Sobre a notícia de que a Anatel estuda a obrigatoriedade do compartilhamento de espectro em 700 MHz no interior do País, o executivo viu a novidade com bons olhos. Segundo Júnior, o chamado RAN sharing é fundamental para a cobertura em cidades de menor porte no País. A Oi e a TIM têm um acordo de RAN sharing para o 4G.

Fibra

O executivo defendeu também o compartilhamento de cabos de fibra ótica entre setores diversos, como o elétrico e o de telecom. “Vejo a fibra como alicerce para o desenvolvimento, não como diferencial estratégico”, disse, durante palestra no 13º Rio Wireless. “A fibra é um diferencial hoje, mas não será amanhã, pois todos a terão”, complementou, lembrando que o mesmo aconteceu com as torres celulares.

fonte: http://www.teletime.com.br/