Carregando Pesquisa
Facebook Twitter
Apostilas Artigos Tutoriais Aulas Blog Ferramentas de Rede Fórum Downloads Colabore Fale Conosco
» artigos
:: Prova de Conceito no Projeto de Redes de Computadores

Prof. Especialista José Mauricio Santos Pinheiro - 14/11/2010

 

1. Introdução

Prova de Conceito, do inglês Proof of Concept (PoC), é um termo utilizado para denominar um modelo prático que possa provar o conceito (teórico) estabelecido por uma pesquisa ou artigo técnico. Em Tecnologia da Informação (TI), o termo pode ser relacionado ao desenvolvimento de um protótipo como ferramenta para provar a viabilidade de um projeto de rede de computadores.

A prova de conceito permite demonstrar na prática a metodologia, os conceitos e as tecnologias envolvidas na elaboração do projeto. Trata-se, pois, de uma iniciativa de curto prazo, incluída no cronograma de atividades do projeto e orientada de forma restrita a um segmento da rede. Tem natureza colaborativa, envolvendo a expertise do projetista e fornecedores e as competências do cliente.

2. Formalizando a Prova de Conceito

Todas as alterações do projeto de uma rede de computadores devem ser testadas antes de serem disponibilizadas para os usuários. É importante testar dispositivos existentes, novos equipamentos e versões dos sistemas instalados primeiramente em um ambiente de não-produção ou, quando isto não for possível, em segmento limitado da rede que se encontra funcionando. Esse é o valor real de fazer uma prova de conceito, verificar se os novos equipamentos e versões de sistemas se integram aos dispositivos existentes, bem como à rede como um todo.

A prova de conceito pode ter muitas formas, por exemplo: 

  • Lista de tecnologias (frameworks, padrões, arquiteturas etc.) conhecidas que pareça adequada ao projeto;

  • Esboço de modelo conceitual de uma solução;

  • Simulação de uma solução através de ferramentas de software;

  • Protótipo executável.

A partir da prova de conceito é possível avaliar os resultados dos testes de aceitação e certificação e usar esses resultados para balizar as alterações que se fizerem necessárias na estrutura (lógica e física), de segurança e especificações de gestão antes de gerar uma proposta final de projeto.

A prova de conceito do modelo aqui sugerido segue as premissas da metodologia Top Down para o projeto de redes de computadores e envolve a concepção de protótipo, definição dos testes, a construção de scripts e análise dos resultados obtidos.

Como vantagens específicas associadas à utilização da prova de conceito destacam-se:

  • Utilização de endereçamento de rede de forma a não afetar aquele existente e em funcionamento;

  • Elaboração de scripts de testes e respectivos procedimentos para verificar possíveis inconsistências;

  • Testar hardware, software e firmware sem afetar a disponibilidade da rede para os usuários;

  • Elaboração de projeto viável para o cliente.

Uma prova de conceito é necessária e deve ser empregada em situações que considerem:

O escopo do projeto não é bem entendido - se o escopo não é familiar aos envolvidos no projeto, a prova de conceito não pode apenas explorar soluções possíveis, mas também pode ajudar a entender e esclarecer os requisitos necessários;

Experiência de projeto – quando o grupo de trabalho tem pouca experiência anterior, considerando que todo projeto é uma atividade não repetitiva e única, não sendo possível basear resultados em arquiteturas e tecnologias existentes, pois cada caso é um caso;

Requisitos complexos - quando qualquer requisito é considerado complexo, podendo ainda ser classificado como particularmente oneroso, mesmo que o domínio seja familiar e o projeto tenha similaridade com outros existentes;

Alto risco - quanto maior o risco, mais esforço é necessário, uma vez que há a expectativa de resultados mais realistas dos modelos produzidos e avaliados. Entretanto, é preciso reconhecer que nem todos os riscos podem ser eliminados.

3. Componentes

Para iniciar a prova de conceito, o primeiro passo é avaliar o que será validado inicialmente durante a etapa de testes, se as tecnologias condizem com as necessidades do cliente e com a finalidade a qual se propõe o projeto. No segundo passo, definido o ambiente de teste, deve-se identificar o segmento de rede menos crítico ou aquele onde os usuários serão menos afetados para a construção de um protótipo. O terceiro passo é instalar e configurar os equipamentos e sistemas necessários no ambiente do cliente. No quarto passo, definem-se os testes pertinentes, segundo o modelo de protótipo definido anteriormente. Neste momento, scripts de teste devem ser construídos para satisfazer as possibilidades de funcionamento da rede. No quinto passo temos a análise dos resultados dos testes que servirão como referência para possíveis correções no modelo do protótipo e, posteriormente, irão compor a documentação final do projeto.

O modelo de prova de conceito proposto apresenta os seguintes componentes:

3.1. Construção do protótipo

O protótipo é um modelo para testes de projeto e configuração de recursos como um laboratório. Na construção do protótipo devem ser observados os protocolos ou sistemas específicos envolvidos, especificadas a topologia, equipamentos e acessórios necessários para simular um segmento da rede real.

3.2. Configuração dos equipamentos

Tanto o cabeamento quanto as estações, servidores e sistemas necessários para os testes devem ser adequadamente instalados e configurados. Os equipamentos e sistemas devem ser idênticos ao proposto no projeto para o teste específico e verificação. Todos os equipamentos e sistemas devem estar funcionais conforme especificado no protótipo.

3.3. Definição dos testes

No caso de um protótipo executável, a prova de conceito pode ser feita com uma demonstração. No caso de um protótipo conceitual, por meio de argumentação, inspeção e raciocínio. No caso de uma simulação, requer a configuração e a execução do modelo simulado com dados informados ou obtidos dos critérios de avaliação e, em seguida, da coleta e análise dos dados resultantes do modelo.

Deve-se ter em mente sempre que os testes devem ser concebidos para verificar se o projeto funciona como descrito, utilizando como parâmetro as definições das camadas do modelo de referência OSI, ou seja, devem envolver desde a camada física da rede até a conectividade de aplicativos.

A seguir, apresenta-se uma lista com sugestões de testes aplicáveis a uma rede de computadores:

  • Ping em servidores, estações e equipamentos de rede;

  • Routing e Switching

  • Segurança (física e lógica)

  • Disponibilidade

  • Carga

Os testes podem ser customizados segundo as necessidades de cada projeto. Os testes devem ser aplicados com o mínimo impacto sobre os usuários, no caso de rede em funcionamento.

3.4. Elaboração dos scripts de teste

Levantar informações junto aos fornecedores de equipamentos e sistemas para construir scripts corretos e eficientes para cada dispositivo. Isto é particularmente relevante se o projeto utilizar novos equipamentos e protocolos que ainda não foram utilizados na rede.

É importante discutir quaisquer problemas ou preocupações quanto ao funcionamento dos dispositivos com o fornecedor e, se necessário, modificar as especificações do protótipo.

3.5. Análise dos resultados

A prova de conceito inclui a análise e discussão de questões específicas de cada teste, definido e executado segundo o modelo definido no protótipo. Os resultados dessa avaliação são analisados não apenas para determinar se os requisitos importantes para o projeto podem ser atendidos, mas também para verificar a validade desses requisitos. Nesse momento, tais requisitos podem ser modificados se ainda não estão necessariamente bem entendidos pelos envolvidos.

Os resultados dos testes devem ser utilizados para fazer alterações na estrutura atual do projeto, desde a infraestrutura, segurança e gerenciamento de especificações desenvolvidas até o momento de avançar para a proposta final do projeto. Caso sejam necessárias alterações na configuração da rede, o projetista deve ter o discernimento necessário para identificar quais dispositivos ou sistemas correlatos devem ter suas configurações alteradas a fim de manter o estado de consistência da rede. Neste ponto, entende-se por correlação o fato de haver dois ou mais dispositivos ou sistemas que possuem a característica de, uma alteração no estado ou configuração em um deles, implicar em uma ação nos demais.

4. Conclusão

A prova de conceito serve para validar um projeto de rede de computadores antes que este seja executado na prática. Todos os resultados dos testes devem ser plenamente avaliados na prova de conceito, uma vez que nas fases posteriores, que envolvem a instalação e operação da rede, será maior a relutância às mudanças ou à reinterpretação dos requisitos.

A metodologia é recomendada para evitar imprevistos durante a execução do projeto, comprovando o bom entendimento do escopo, que os requisitos de projeto são bem definidos e o seu desenvolvimento pode ser avaliado como tendo baixo risco para o cliente.

 


José Maurício Santos Pinheiro
Professor Universitário, Projetista e Gestor de Redes, 
membro da BICSI, Aureside e IEC.

Autor dos livros:
 
· Guia Completo de Cabeamento de Redes ·
· Cabeamento Óptico ·
· Infraestrutura Elétrica para Redes de Computadores
·
· Biometria nos Sistemas Computacionais - Você é a Senha ·
· Da Iniciação Científica ao TCC ·

E-mail: jm.pinheiro@projetoderedes.com.br

Powered by Disqus
© www.projetoderedes.com.br - Termos e Condições de Uso